março 29, 2010

Yin-Yang


Princípios Yin-yang ajudam a manter o corpo em equilíbrio




O que é?
Na filosofia chinesa os opostos se complementam: escuro e claro, frio e calor, branco e preto. Um não existe sem o outro. Assim funciona a dieta do yin-yang. Desvendando esse ensinamento, saiba como viver mais, melhor e… magra!
Um pensamento profundo sobre a existência de coisas, seres e ações contrárias ou opostas, que formam a realidade, foi desenvolvido pelos chineses. Eles deram às oposições o nome de dois princípios: yin e yang. Yin é o princípio feminino passivo na natureza, representado pela escuridão, o frio e a umidade. Yang é o princípio masculino ativo na natureza, representado pela luz, pelo calor e pelo ar seco. Os dois se combinam e formam todas as coisas, que são feitas de contrários ou de oposições. O mundo, portanto, seria fruto da atividade masculina e da “passividade” feminina.
Todos nós somos yin e yang ao mesmo tempo e devemos manter esses dois pólos em constante equilíbrio. “O homem é yang, mas possui algo de yin em sua essência. E a mulher é mais yin, mas também guarda algo de yang. Caso um dos dois tenha um elemento mais presente, é possível corrigí-lo através de uma dieta reforçada, repondo o que está carente”, explica Fernando Nallin, terapeuta holístico e especialista em medicina oriental. Segundo estudiosos, essa filosofia é infalível para quem está acima do peso. Eles acreditam que basta diminuir a quantidade de alimentos yin e aumentar a de yang para termos um metabolismo mais rápido e, assim, menos quilos na balança.


O dia-a-dia corrido, a alimentação errada e a vida em desequilíbrio nem sempre nos permite manter os nossos dois lados em harmonia. Por isso, muitas vezes engordamos. Uma das maneiras de nos mantermos em forma é buscar o equilíbrio através de um cardápio direcionado. “Se a alimentação não é harmoniosa iremos contaminar nossa essência e ficaremos doentes”, diz o médico Alex Botsaris, clínico geral e autor do livro Fórmulas Mágicas, da Editora Nova Era.
Portanto, comer bem é essencial para nos mantermos bonitos, saudáveis e magros. Segundo Fernando Nallin, uma forma de conquistarmos uma boa silhueta é adicionarmos em nosso cardápio elementos integrais, legumes como cenoura, nabo, escarola, bardana. E prepará-los com cuidado, usando apenas sal marinho, shoyo, óleo de gergelim, cremes de cereais, aveias, arroz, cevada, trigo banhados em uma xícara de chá verde. O feijão ideal é o azuki, que pode ser cozido com arroz integral na panela de pressão.
“Lembre-se sempre de mastigar tudo demoradamente, não beber muita água durante as refeições e evitar conservantes”, conta Nallin. Com essas pequenas mudanças iniciais já começamos a perder peso e a ter mais disposição para as tarefas diárias. Outro fator importante é descobrirmos se somos mais yin ou yang.




Você é yin ou yang?
Pessoas com predominância yin são friorentas, pálidas, gostam de dormir, têm pouca sede e urinam muito. Já as com predominância yang são agitadas, calorentas, exibem rosto avermelhado, suam muito, urinam pouco e têm bastante sede. “As yang devem dar preferência a alimentos frios, enquanto pessoas yin precisam consumir mais comidas quentes”, indica Fabiana Case, da Clínica Terapêutica Harmonya.
Caso você sinta muito calor, dor de cabeça pulsante, irritação, gosto aquecido na boca e suor, fique atenta: nesse caso é preciso incluir na dieta mais alimentos yin. “Geralmente qualquer um pode comer opções dos dois grupos, sem muitos problemas. Mas se uma pessoa yang ingerir muitos alimentos do seu tipo é provável ocorrer um desequilíbrio orgânico”, alerta Cenira Braga Barros, biomédica e especialista em acupuntura e Medicina Chinesa, da Sociedade Brasileira de Tai Chi Chuan.

A dieta
A dieta do yin-yang é baseada em princípios milenares chineses, que propõem um equilíbrio entre as forças opostas. Na prática, o cardápio diário revezaria um prato doce (yin) e o outro salgado (yang); um frio (yin) e o outro quente (yang); um macio (yin) e outro crocante (yang). Em uma dieta de emagrecimento é preciso ter 25% de alimentos yin e 75% de yang.
“Em geral, os alimentos yang são altamente energéticos, ricos em energia proveniente das gorduras. Já os do grupo yin costumam ter uma porcentagem maior de água”, esclarece Cenira Barros.
A base da macrobiótica é a mais adequada à filosofia e opta por não utilizar comidas congeladas ou enlatadas. Os alimentos devem ser preparados em panelas de cobre ou alumínio, com a utilização de colher de madeira ou bambu. No regime macrobiótico, raízes, verduras, legumes, sopas e chás também são consumidos num equilíbrio dinâmico. Grãos, vegetais e frutas representam a maior parte da dieta.
Fonte

Sem comentários: