janeiro 01, 2010

Vegans, o amor e o metano

Ela torna-se vegetariana, ele arrisca-se a ficar cadáver. De resto, é o gado que arruína o planeta.



Parece que a grande maioria dos vegetarianos são mulheres, numa percentagem de quase 70 para 30. A novidade do dia é que como um todo, os vegetarianos estão determinados a salvar o planeta dos gases produzidos pelos traseiros dos animais. Não bastava estragarem a vida a grupos, pois são o pesadelo dos anfitriões de um jantar social que ficam sem saber o que servir por causa da dieta de um só. E arruinar a harmonia do casal em forma de ementa diária quando um dos elementos se autodetermina como vegetariano. Isto para se salvar altruisticamente a si próprio.

É sempre uma incógnita quando uma mulher anuncia que vai reduzir o consumo de carne. Há alguma probabilidade que inicie 'o caminho' que começa pela vaca e acaba a eliminar os frutos do mar encaixando-se na definição de vegetariano ortodoxo - ou seja o que não come cadáveres de animais, seja por uma questão de saúde, longevidade, seja para poupar o stresse de morte uma horrorosa aos camarões de Espinho. Sendo que a determinado momento o objectivo começa a ser atingir o 'nirvana vegan', em que não se toca em nenhum derivado animal, do leite aos ovos, e os 'carnívoros' são olhados com nojo. O que afecta os outros prazeres da carne, quero crer.
E então, meu amigo, conte com discussões em redor da folha de alface com seitan ao jantar. Não tardará e a carne vermelha torna-se o centro da sua existência: é a sua religião afinal. Ora se estiver disposto a ser convertido, a harmonia reinará nesse lar herbívoro.

Basta entrar em fóruns internacionais para se compreender que a questão dos relacionamentos amorosos entre vegetarianos e 'comedores de carne' é uma temática que já tem uma base substantiva de divórcios que permite conselhos atempados. Aliás a discussão é colocada ao nível da fé inter-religiosa. E os vossos filhos? Irão comer cadáver? Uma das partes está disposta a ceder? Diz uma activista vegan radical: "Então é uma questão do vosso parceiro respeitar as vossas opções? Mas vocês namorariam um violador? Um alegre espancador de cães? A lógica é a mesma: desde que ele não vos obrigue a fazer o mesmo, certo?".

Há mesmo conselheiros vegans a apoiar o fim da relação com não-praticantes: muito bem amam-se, querem casar mas se ele é intransigente quanto ao dar carne aos vossos futuros filhos, não respeitando a sua opção vegetariana (o contrário não é tido) então o vosso matrimónio está condenado ao falhanço porque não conseguirá lidar com a ideia de ver as suas crianças a comer carne de animais mortos. Pode até ser verdade. mas custa pensar que um peito de frango acabe assim prematuramente com um grande amor - chamem-me romântico...

Este tema não surge do ar, dado que apontam agora a produção de carne para consumo humano como o principal culpado das alterações climáticas. Leu bem. Nem os escapes dos carros nem os gases dos frigoríficos ou as fábricas dos chineses estão a destruir as calotes polares. Sim: os flatos dos porcos, borregos, camelos e vacas, e respectivo estrume.

Para os vegans a equação é simples: basta reduzir (eliminar) a produção animal industrial e dá-se um passo para a diminuição do efeito de estufa - a Cimeira de Copenhaga devia contemplar este aspecto. Bom, não sei quantos planetas de tofu e alface serão necessários para alimentar a população mundial escanzelada e desproteinizada sem que esta atacasse as manadas de vacas dondocas a passear livres nos prados de rúcula.

Mas se não encontro solução sentimental para a vida de um casal misto com filhos esquizóides no credo da febra ou da salada, permitam-me uma ideia para a questão do metano animal. Em vez de acabar drasticamente com espécies inteiras em prol do clima - um ideal nobre e necessário - não é possível introduzir nas rações do gado uma substância antiflatulência, que anule o aerofagismo e meteorismo dos quadrúpedes em vez de acabar radicalmente com a vazia, picanha, salsicha ou cupim? É só uma proposta.


Vegans Há poucos dias Natalie Portman anunciou ao mundo que ia passar de mera vegetariana para activista vegan antiprodução animal. Um estudo publicado há dias pelo WorldWatch Institute que garante que o metano dos animais para consumo humano contribui 51% para as emissões anuais de gases do efeito de estufa.



Carta aberta de Natalie Portman

Estudo sobre efeito de estufa e gado , de Robert Goodland e Jeff Anhang - "Livestock and Climate Change"

Texto publicado na edição do Expresso de 14 de Novembro de 2009
Luís Pedro Nunes ( http://www.expresso.pt/ )

Sem comentários: