junho 22, 2011

Palestra do Diretor da ABIEC, Fernando Sampaio no congresso mundial da Carne em Campo Grande - MS

Durante palestra do setor, produtores de carne admitem estar incomodadísimos com as campanhas vegetarianas.



Alguém dê um Prêmio Nobel para esse palestrante do Congresso Mundial da Carne!

George Guimarães comentou: 
Me lembrei agora de um protesto que o VEDDAS fez em 2007 quando o Congresso Internacional da Carne (esse mesmo do vídeo) foi realizado em SP: http://www.veddas.org.br/relatorios-de-acoes/60-congresso-internacional-da-carne-2007.html  
Fotos em http://www.veddas.org.br/fotos/category/34-protesto-durante-o-congresso-internacional-da-carne-2007.html  
O protesto gerou uma entrevista com Joelmir Beting onde falamos JUSTAMENTE sobre as questões que o "palestrante" está esbravejando nesse vídeo recente: http://www.youtube.com/watch?v=ZGHYSw0eXPQ

Excelente comentário da Renata VegVida 
"Vegetarianismo é coisa de elitista; mas as pessoas comem mais carne quando ganham mais dinheiro". Olha que belo raciocínio! (pára e pensa, povo, as coisas que eu como eu compro na droga do mercado municipal e em feira livre). Eu como feijão, arroz, farinhas, frutas, legumes. E não como granola de manhã, aliás, tomo café preto com pão (embora o quilo da granola muitas vezes seja mais barata que o quilo do pão francês!). Mas comprar um quilo de aveia a R$ 4,00 e colocar um cereal nas suas refeições não é um feito heróico, é saber lidar com economia doméstica o que, infelizmente, parece que tem muita gente querendo que continue sendo "coisa de elitista". Comer mais feijões - que rendem mais e são mais baratos que a carne - não é coisa de elitista, é coisa de gente esperta. 
As pessoas não sabem o que comprar, comer e cozinhar, não sabem variar, não sabem boicotar preços altos e aproveitar safras; isso é SIM uma questão de educação, muito mais do que uma questão de acesso. É tão "elitista" quanto livros são elitistas. Queimem os livros então, pecuaristas! Não estou discutindo linha da pobreza e miséria absoluta, essas são situações limites em que as pessoas sequer comem com freqüência e dificilmente têm opção de escolha. Mas um pecuarista falar que comida vegetariana é "elitista" chega a ser comédia! Poucas coisas são mais elitistas que um latifúndio, não é por nada. E quem tem mais interesse nessa questão? Pecuaristas que dependem financeiramente da venda de carne ou Vegetarianos que são pessoas diversas geralmente não ligadas à produção e que defendem vegetarianismo/veganismo e consumo de itens da agricultura em detrimento da pecuária simplesmente pq acham isso uma coisa CORRETA? 
Fora que vegetais são muito mais iguais para todos. Um tomate é um tomate, uma cebola é uma cebola, feijão é feijão, arroz, banana… Geralmente leva-se a coisa inteira; se quiser cortar, separar, aproveitar, é uma escolha só sua. Há vegetais mais caros e mais baratos de acordo com produção, disponibilidade e alguns são mais raros até, mas quando se compara um vegetal ele simplesmente é o que é. Já carne (seja de qual bicho for) tem normalmente “partes” ou “cortes”. É o mesmo bicho mas tem de primeira, de segunda, víceras, ossos, pele… E comer um filé, um músculo, língua, cozido de tripas, um embutido ou caldo de mocotó são coisas vistas pela maioria como muito diferentes embora todos possam vir do mesmo animal. Quanto mais pobre pior o tipo que se come, negando mesmo acesso dos mais pobres (e não são nem os miseráveis) às partes ditas “nobres”. Isso não é elitista, então? O senso de realidade dos produtores chegou aí e parou.

Sem comentários: