outubro 10, 2010

Religião X Vegetarianismo

A Bíbia está repleta de alusões ao vegetarianismo
por António Caldeira


Cristo pregava o Amor e seria para mim impossível que ele comesse animais e directa ou indirectamente causasse qualquer dor.
Ao ler a Bíblia com atenção, e vontade de VER, constata-se que apesar de todas as deturpações, a morte, ingestão e sacrifício de animais foi condenada pelos principais profetas.
Só não vê tal facto aquele tipo de pessoa que presa dos hábitos alimentares e insensibilidade à dor do outro, ou aqueles que têm gaúdio nas touradas, com os respectivos olhos vesgos utilizam os argumentos mais absurdos para justificar como vermelho de sangue é apenas um líquido colorido e indolor.

A Bíblia não é um livro de um só autor, nem foi escrita num tempo definido, é na verdade um conjunto de livros agregados escritos ao longo de milénios, ou pelo menos no seu grosso, de séculos. Os escritos de homens Santos e iluminados misturaram-se com os de homens de pouca sabedoria Assim se explica que encontremos textos até incitando a oferendas de animais a Deus e até aparentemente invocadas pelo próprio Deus como sacrifício.

Mas se um autor diz sim aos sacríficios e outro diz o seu contrário, em quê que ficamos!?


Ao lermos o génesis, verificamos que Deus afirma que criou os animais para que dominemos sobre eles, mas quanto ao alimento, não diz para que os comamos, especifica que o nosso alimento será “erva que dê semente” e “fruto que dê semente”. Mesmo para aqueles que afirmam que o génesis foi escrito por homens e se apresenta com uma linguagem figurada, estas afirmações são claras, e devemos perguntar: porquê que esses homens do antigamente, em que era pressuposto existir menos civilização e mais barbaridade, escreveram as coisas desta forma?

“E disse Deus: Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança; e domine sobre os peixes do mar, e sobre as aves dos céus, e sobre o gado, e sobre toda a terra, e sobre todo o réptil que se move sobre a terra.
E criou Deus o homem à sua imagem: à imagem de Deus o criou; homem e mulher os criou.
E Deus os abençoou, e Deus lhes disse: Frutificai e multiplicai-vos, e enchei a terra, e sujeitai-a; e dominai sobre os peixes do mar e sobre as aves dos céus, e sobre todo o animal que se move sobre a terra.
E disse Deus: Eis que vos tenho dado toda a erva que dê semente, que está sobre a face de toda a terra; e toda a árvore, em que há fruto que dê semente, servos-á para mantimento.
E a todo o animal da terra, e a toda a ave dos céus, e a todo o réptil da terra, em que há alma vivente, toda a erva verde será para mantimento; e assim foi. (Génesis 1:26,30)

Reparemos no seguinte texto que conta o que aconteceu no deserto quando os Judeus estavam fartos do maná:

“E disse Moisés: Seiscentos mil homens de pé é este povo, no meio do qual estou; e tu tens dito: Dar-lhes-ei carne, e comerão um mês inteiro. Degolar-se-äo para eles ovelhas e vacas que lhes bastem? Ou ajuntar-se-äo para eles todos os peixes do mar, que lhes bastem? Porém, o SENHOR disse a Moisés: Teria sido encurtada a mão do SENHOR? Agora verás se a minha palavra se há de cumprir ou não. E saiu Moisés, e falou as palavras do SENHOR ao povo, e ajuntou setenta homens dos anciãos do povo e os pós ao redor da tenda. Então o SENHOR desceu na nuvem, e lhe falou; e, tirando do espírito, que estava sobre ele, o pós sobre aqueles setenta anciãos; e aconteceu que, quando o espírito repousou sobre eles, profetizaram; mas depois nunca mais. Porém no arraial ficaram dois homens; o nome de um era Eldade, e do outro Medade; e repousou sobre eles o espírito (porquanto estavam entre os inscritos, ainda que não saíram à tenda), e profetizavam no arraial. Então correu um moço e anunciou a Moisés e disse: Eldade e Medade profetizam no arraial. E Josué, filho de Num, servidor de Moisés, um dos seus jovens escolhidos, respondeu e disse: Moisés, meu senhor, proíbe-lho. Porém, Moisés lhe disse: Tens tu ciúmes por mim? Quem dera que todo o povo do SENHOR fosse profeta, e que o SENHOR pusesse o seu espírito sobre ele! Depois Moisés se recolheu ao arraial, ele e os anciãos de Israel.
Então soprou um vento do SENHOR e trouxe codornizes do mar , e as espalhou pelo arraial quase caminho de um dia, de um lado e de outro lado, ao redor do arraial; quase dois côvados sobre a terra. Então o povo se levantou todo aquele dia e toda aquela noite, e todo o dia seguinte, e colheram as codornizes; o que menos tinha, colhera dez ómeres; e as estenderam para si ao redor do arraial. Quando a carne estava entre os seus dentes, antes que fosse mastigada, se acendeu a ira do SENHOR contra o povo, e feriu o SENHOR o povo com uma praga mui grande . Por isso o nome daquele lugar se chamou Quibrote-Ataavá, porquanto ali enterraram o povo que teve o desejo.” (Números 11:21,34)

Se lermos Daniel, um dos profetas do antigo testamento, vemos que ele era vegetariano:
“E Daniel propôs no seu coração não se contaminar com a porção das iguarias do rei, nem com o vinho que ele bebia; portanto pediu ao chefe dos eunucos que lhe permitisse não se contaminar. Ora, Deus fez com que Daniel achasse graça e misericórdia diante do chefe dos eunucos. E disse o chefe dos eunucos a Daniel: Tenho medo do meu senhor, o rei, que determinou a vossa comida e a vossa bebida; pois por que veria ele os vossos rostos mais tristes do que os dos outros jovens da vossa idade? Assim porias em perigo a minha cabeça para com o rei. Então disse Daniel ao despenseiro a quem o chefe dos eunucos havia constituído sobre Daniel, Hananias, Misael e Azarias: Experimenta, peço-te, os teus servos dez dias, e que se nos dêem legumes a comer, e água a beber. Então se examine diante de ti a nossa aparência, e a aparência dos jovens que comem a porção das iguarias do rei; e, conforme vires, procederás para com os teus servos. E ele consentiu isto, e os experimentou dez dias. E, ao fim dos dez dias, apareceram os seus semblantes melhores, e eles estavam mais gordos de carne do que todos os jovens que comiam das iguarias do rei. Assim o despenseiro tirou-lhes a porção das iguarias, e o vinho de que deviam beber, e lhes dava legumes. Quanto a estes quatro jovens, Deus lhes deu o conhecimento e a inteligência em todas as letras, e sabedoria; mas a Daniel deu entendimento em toda a visão e sonhos”. (Daniel 1:8,17)

Isaías foi um dos maiores profetas do antigo testamento muitas vezes citado por Cristo, se o lermos vemos que também ele era vegetariano e reparemos no que ele diz sobre os sacrifícios dos animais:
De que me serve a mim a multidão de vossos sacrifícios, diz o SENHOR? Já estou farto dos holocaustos de carneiros, e da gordura de animais cevados; nem me agrado de sangue de bezerros, nem de cordeiros, nem de bodes.
Quando vindes para comparecer perante mim, quem requereu isto de vossas mãos, que viésseis a pisar os meus átrios?
Não continueis a trazer ofertas vãs; o incenso é para mim abominação, e as luas novas, e os sábados, e a convocação das assembleias; não posso suportar iniquidade, nem mesmo a reunião solene.
As vossas luas novas, e as vossas solenidades, a minha alma as odeia; já me são pesadas; já estou cansado de as sofrer.
Por isso, quando estendeis as vossas mãos, escondo de vós os meus olhos; e ainda que multipliqueis as vossas orações, não as ouvirei, porque as vossas mãos estão cheias de sangue.
Lavai-vos, purificai-vos, tirai a maldade de vossos actos de diante dos meus olhos; cessai de fazer mal.( Isaías 1:11,17)

“Porém eis aqui gozo e alegria, matam-se bois e degolam-se ovelhas, come-se carne, e bebe-se vinho, e diz-se: Comamos e bebamos, porque amanha morreremos. Mas o SENHOR dos Exércitos revelou-se aos meus ouvidos, dizendo:Certamente esta maldade não vos será expiada até que morrais, diz o Senhor DEUS dos Exércitos.” (Isaías 22:13,14)
“Povo que de contínuo me irrita diante da minha face, sacrificando em jardins e queimando incenso sobre altares de tijolos;
Que habita entre as sepulturas, e passa as noites junto aos lugares secretos; come carne de porco e tem caldo de coisas abomináveis nos seus vasos;
Que dizem: Fica onde estás, e näo te chegues a mim, porque sou mais santo do que tu. Estes säo fumaça no meu nariz, um fogo que arde todo o dia.
Eis que está escrito diante de mim: näo me calarei; mas eu pagarei, sim, pagarei no seu seio, As vossas iniqüidades, e juntamente as iniqüidades de vossos pais, diz o Senhor, que queimaram incenso nos montes, e me afrontaram nos outeiros; assim lhes tornarei a medir as suas obras antigas no seu seio.” (Isaías 65:3,6)

“Quem mata um boi é como o que tira a vida a um homem; quem sacrifica um cordeiro é como o que degola um cão; quem oferece uma oblação é como o que oferece sangue de porco; quem queima incenso em memorial é como o que bendiz a um ídolo; também estes escolhem os seus próprios caminhos, e a sua alma se deleita nas suas abominações. Também eu escolherei as suas calamidades, farei vir sobre eles os seus temores; porquanto clamei e ninguém respondeu, falei e não escutaram; mas fizeram o que era mau aos meus olhos, e escolheram aquilo em que eu não tinha prazer.” (Isaías 66:2,4)
Também em Miqueias:
“Com que me apresentarei ao SENHOR, e me inclinarei diante do Deus altíssimo? Apresentar-me-ei diante dele com holocaustos, com bezerros de um ano? Agradar-se-á o SENHOR de milhares de carneiros, ou de dez mil ribeiros de azeite? Darei o meu primogénito pela minha transgressão, o fruto do meu ventre pelo pecado da minha alma? Ele te declarou, ó homem, o que é bom; e que é o que o SENHOR pede de ti, senão que pratiques a justiça, e ames a e andes humildemente com o teu Deus? “(Miqueias 6:6,8)

Já no novo testamento ainda podemos encontrar restos da antiga sabedoria em S. Paulo:
“Não são os alimentos que nos aproximam de Deus: se deixamos de comer, nada perdemos; e, se comemos, nada lucramos. Toma cuidado, porém para que essa vossa liberdade não se torne ocasião de queda para os fracos............Eis porque, se um alimento é ocasião de queda para meu irmão, para sempre deixarei de comer carne, a fim de não causar a queda de meu irmão”. (S.Paulo Cor 8)

“Entäo eles lhe disseram: Näo temos aqui senäo cinco päes e dois peixes.E ele disse: Trazei-mos aqui. E, tendo mandado que a multidäo se assentasse sobre a erva, tomou os cinco päes e os dois peixes, e, erguendo os olhos ao céu, os abençoou, e, partindo os päes, deu-os aos discípulos, e os discípulos à multidäo.
E comeram todos, e saciaram-se; e levantaram dos pedaços, que sobejaram, doze alcofas cheias. “(Mateus 14:17,20)

Apesar de todas as adulterações que a bíblia sofreu, esta nunca diz que Jesus multiplicou os peixes e os deu à multidão, é bem explicita sim quanto aos pães.
Acresce que a palavra original que foi traduzida como sendo peixes era “opsarion” que em grego significa um acompanhamento de comida, que podia ser peixe mas também outra coisa qualquer.
(οψαριον noun - accusative singular neuter, opsarion op-sar'-ee-on: a relish to other food )

Será também de relevar que mesmo que Cristo tivesse multiplicado peixes, e dado à multidão comida de acordo com os seus hábitos, esses peixes resultavam do seu poder criador e não eram animais que tinham vivido e sofrido a respectiva morte.


É muito comum entre os defensores do consumo de carne, mesmo quando se esgrimem entre eles, ou entre religiões diferentes com posições diferentes face as diferentes tipos de carnes, ou para rebater postulados do antigo testamento que proibem aos judeus o consumo de alguns tipos de animais, apoiarem-se nas palavras em que Jesus Cristo afirmou que o que torna impuro o homem não é o que entra, mas o que sai da boca. Essa é uma leitura claramente abusiva e que extravasa aquilo que estava a ser dito. O que estava em causa era o rebater do argumento da transgressão do costume judeu de lavar as mãos antes de comer o pão, e é em resposta a isso que Jesus faz a tal afirmação. Jesus nunca diz que tudo o que se coma é indiferente, é uma extrapolação grosseira afirmar tal, o que ele acentua é que os nossos pensamentos, palavras e acções, que saem do coração, é que determinam o pecado ou karma. Temos que ir ao contexto em que as palavras foram proferidas, todos nós produzimos afirmações que se forem descontextualizadas podem ser usadas abusivamente e contradizerem os nossos princípios e valores mais caros. Reparemos que no final Jesus volta a afirmar que comer sem lavar as mãos não contamina o homem.

“Entäo chegaram ao pé de Jesus uns escribas e fariseus de Jerusalém, dizendo:
Porque transgridem os teus discípulos a tradiçäo dos anciäos? pois näo lavam as mäos quando comem päo.
.../..
Ainda näo compreendeis que tudo o que entra pela boca desce para o ventre, e é lançado fora?
Mas, o que sai da boca, procede do coraçäo, e isso contamina o homem.
Porque do coraçäo procedem os maus pensamentos, mortes, adultérios, prostituiçäo, furtos, falsos testemunhos e blasfêmias.
Säo estas coisas que contaminam o homem; mas comer sem lavar as mäos, isso näo contamina o homem.” (Mateus 14:1,20)


“Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! pois que sois semelhantes aos sepulcros caiados, que por fora realmente parecem formosos, mas interiormente estäo cheios de ossos de mortos e de toda a imundícia.
Assim também vós exteriormente pareceis justos aos homens, mas interiormente estais cheios de hipocrisia e de iniqüidade.” (Mateus 23:27,28)

“Jesus disse: Porque lavais o exterior da taça? Não sabeis que quem criou o lado da dentro é o mesmo que criou o lado de fora?” (Tomé 89)

"Lavar o interior da taça" que outra coisa não é que não ingerir cadáveres de animais?

Isto são só amostras porque existe muito mais. Mas claro que se encontra outros livros na Bíblia em que se aconselha a comer os animais de pata fendida, ou sobre as regras a seguir nos sacrifícios, como em Deuterónimos. A questão está exactamente no facto da Bíblia ser uma miscelânea e também mal traduzida de língua para língua.
Aconselho vivamente a que leiam o Evangelho Essénio da Paz: (existe uma edição da Pensamento mas não comercializada em Portugal, mandei vir do Brasil)

Em ingês: The Essene Gospels of Peace
Em português:  Evangelho Essénio da Paz

in Notas de António Caldeira


Mais leituras

Sem comentários: