junho 05, 2010

Mascote sul-africana confirma tendência de usar animais

JOHANNESBURGO — A mascote da Copa do Mundo deste ano é um leopardo de nome Zakumi e confirma a tendência de as organizações usarem animais para representar os países, apesar de, desde 1966, todo tipo de figura desempenhar esse papel.
O pelo da cabeça de Zakumi é verde, assim como a calça. O restante do corpo é de um amarelo bem intenso. Ou seja, trata-se das cores da seleção sul-africana.

O Footix, o galo do Mundial de 1998, tinha as cores da bandeira francesa: azul, branco e vermelho, enquanto a mascote da Alemanha oito anos depois era um leão de nome Goleo que vestia a camisa da seleção anfitriã.
Três das quatro últimas edições da Copa usaram a figura de algum animal como mascote, já que o Striker era um cachorro que em 1994 ganhou o mundo com o uniforme que aludia à bandeira dos Estados Unidos, país anfitrião.
Em 2002, ano que Japão e Coreia do Sul, dividiram a sede do Mundial, nenhum animal entrou em campo para representar os países, mas sim três criaturinhas diferentes de tudo que já se viu antes: Kaz, Ato e Nik, cada uma de uma cor (amarelo, violeta e turquesa).
A escolha de animais como mascotes tem uma explicação: a Fifa ordenou que, a partir da Copa que se realizou nos Estados Unidos, o símbolo em questão teria que realizar uma coreografia antes de cada jogo, o que seria impossível, por exemplo, para Ciao. Trata-se de um gráfico em forma de jogador de futebol, com cabeça em forma de bola e corpo com as cores da bandeira italiana.

Sem comentários: