junho 02, 2010

Histórias de Vida: Do açougue ao veganismo

Como algumas pessoas já sabem antes de me tornar vegan eu era açougueiro e ter tido essa profissão foi o que me faz abrir os olhos pra causa animal. Lembro exatamente do que me fez pensar e chegar a conclusão de que comer carne é errado. Foi o seguinte: No açougue em que eu trabalhava (que era do meu pai) chegavam os porcos cortados ao meio, do focinho ao rabo. No açougue a gente separava as partes (costela, pernil, etc). Num belo dia o açougueiro mais velho e experiente estava me ensinando a fazer isso e cortou a meia cabeça do porco e jogou numa caixa onde ficavam os restos das carnes - que depois viram linguiça - e eu fui acompanhando a cabeça que caiu na caixa bem de frente pra mim, como se o porco (ou a metade da cabeça dele) estivesse me olhando, com o olho bem aberto, a boca semi-aberta com os dentes pra fora. Aquela cena me chocou e eu, de imediato, soltei a faca no chão e disse "depois eu aprendo, não tô me sentindo bem". Peguei as minhas coisas, fui até o gerente do açougue (minha mãe) e disse "tô meio mal, vou pra casa". Voltei o caminho todo pensando naquilo, em todas aquelas carnes penduradas no açougue, em todos os defuntos que eu manuseava todo dia e fui ficando com raiva de mim por compactuar com aquilo tudo. No outro dia estava de volta ao local (era meu trabalho) e fiquei com aquele pensamento na cabeça o dia todo até que chegou a hora do meu almoço e eu não consegui comer carne. Eu ainda relutei por um tempo, comia carne de vez enquando e ficava inventando mil desculpas esfarrapadas pra não ir trabalhar até que um belo dia meu pai se desfez do açougue e desde então eu nunca mais comi carne. Quando virei ovo-lacto-vegetariano comecei a pesquisar a respeito da indústria da carne e vi que deixar só de comer carne não adiantaria nada e decidi me tornar vegan. Esse processo todo de açougueiro até o veganismo foi de mais ou menos seis meses e tenho certeza de que foi a melhor das decisões que tomei na minha vida. Gostar de carne, leite, queijo, ovos e etc eu ainda gosto (apesar de não lembrar mais do gosto). Mas gosto muito mais de ter a consciência tranquila quando encho meu prato de comida vegana e de quando uso produtos não testados em animais. Gosto muito mais de saber que eu não colaboro com o aquecimento global, gosto de saber que eu colaboro pro fim da fome no mundo. E, principalmente, gosto de saber que eu faço parte da solução e não do problema!
Considere o VEGetariANISMO.
Fonte

Sem comentários: