maio 02, 2010

Novo livro revela estranha vida sexual de Gandhi


Novo livro revela estranha vida sexual de Gandhi
Obra está a provocar sensação, mas autor diz que entender a sexualidade do 'mahatma' é crucial para compreender a personalidade.
Passados 62 anos da sua morte, Mohandas K. Gandhi continua a fascinar os leitores em todo o mundo. Mas uma nova biografia do mahatma ("grande alma") está a causar sensação na Índia e Reino Unido, por abordar a sexualidade do fundador da Índia moderna.
Em inglês, o título do livro é Gandhi, Naked Ambition (Gandhi, Ambição Nua), mas a ideia do autor, o historiador Jad Adams, não foi a de contar episódios picantes da vida sexual do mahatma, mas tentar explicar a personalidade.
Gandhi casou aos 13 anos e sabe-se que a sua mulher, Kasturba, não era feliz. O ambicioso político fez um voto de castidade antes dos 30 anos e, afirma Adams, não há razões para duvidar que o voto foi cumprido. Obcecado com a pobreza, a roupa minimalista, o vegetarianismo e a abstinência sexual, o criador da política de não-violência fez experiências na área sexual que os seus contemporâneos acharam radicais. A tese do livro é a de que estas obsessões foram uma distracção do essencial.
Gandhi criou comunidades, ashram, onde havia separação entre homens e mulheres. As pessoas dedicavam-se totalmente ao projecto e uma das obrigações era a castidade, mesmo entre casais. Para provar a possibilidade de viver sem sexo, o próprio Gandhi submetia-se a estranhas experiências que chocaram os dirigentes do movimento independentista, incluindo Jawaharlal Nehru, o primeiro presidente da Índia. Gandhi dormia frequentemente nu ao lado de mulheres jovens ou com as mulheres de outros membros do ashram, os quais não podiam dormir com as própria mulheres (isso causou protestos).
Estas situações eram testes para Gandhi provar que o impulso sexual podia ser dominado, impulso esse que o mahatma considerava possuir tremenda força. Segundo explica Adams, citado no Times of India, Gandhi escreveu muito sobre sexo e tinha uma concepção de sexualidade que incluía apenas a penetração e não a mais complexa experiência erótica. Quem participava no movimento nacionalista, afirma o autor, "deviam viver em perfeita castidade, adoptar a pobreza, seguir a verdade e cultivar a coragem".
Segundo o historiador, em diferentes partes da vida, várias coisas obcecaram Gandhi: "Quando foi estudante em Londres, foi o vegetarianismo. Na África do Sul, os esforços para permanecer casto e a criação de comunidades ideais foram mais importantes para ele do que o seu trabalho com os comerciantes indianos".

Sem comentários: