março 18, 2010

Segunda-feira sem carne...


E o resto da semana também! Deverá ser assim para talvez dez por cento das pessoas que trabalham no segmento da cadeia produtiva das carnes e demais produtos de origem animal e que poderão perder seus empregos.

Se colar o projeto de lei protocolado pelo vereador de Porto Alegre, Beto Moesch, do PP, denominado de Segunda Sem Carne, o qual institui na Capital uma sugestão de que todos os restaurantes, bares, lares, etc, não consumam nas segundas-feiras nenhum produto de origem animal, estes desempregados, além de não comerem carne na segunda, também terão dificuldades ou falta de dinheiro para comprar carne ou qualquer outra coisa no restante da semana, pelo menos até arranjarem outro emprego.

Talvez alguns políticos, na ânsia de buscar uma eleição, estejam de olho no percentual de eleitores ligados nesta história de veganismo, que é uma filosofia de vida a qual não prevê o consumo de nada que tenha origem animal, tais como carnes, leite, ovos, mel, couro, pele, pêlos, gelatina, antibióticos, vacinas, soros, etc, etc.

Se for uma opção de vida de algumas pessoas, é lógico que devemos respeitar esta posição, mas daí a termos uma lei municipal instituindo ou sugerindo isto, salvo melhor juízo, creio que seja um exagero e uma falta de ter o que fazer. Parece até que há uma ação orquestrada para boicotar a atividade pecuária, pois de um lado temos os ambientalistas invocados com os puns das nossas vacas, responsabilizando-as pelo aquecimento global e, de outro, outra turma que não quer o consumo de nada que venha de um bicho.

Talvez tenhamos que sensibilizar esta gente dizendo que uma alface também tem alma e grita de forma muda quando vê se aproximar dela uma boca cheia de dentes...

Segundo nos mostra a ciência, o homem passou a ser mais inteligente, na medida em que começou a caçar, ou seja, quando passou a comer carne. Na mão inversa, na medida em que diminuirmos o consumo de carne, certamente nosso cérebro irá regredir até voltarmos a ser aqueles humanóides pré-históricos, o primeiro à esquerda na foto da teoria de Darwin.

Brincadeiras à parte, já que o assunto é sério, não seria melhor que os nossos políticos e governantes se preocupassem mais com aqueles que não têm o que comer? Com aqueles que reviram latas de lixo e que são frequentes nas nossas ruas e que não comem produtos de origem animal, nem qualquer outro, não por crença, mas por desvalidos?

Não seria melhor termos uma merenda escolar com leite e seus derivados, com mel, com salame ou com um belo bife malpassado e um arroz bem branquinho, rodeado de tenras folhas de alface, ao invés de biscoitos duros e massas industrializadas?

Vamos combinar que temos coisas ou problemas bem mais sérios com que nos preocupar.



Sem comentários: