março 18, 2010

Moesch propõe criação do dia Segunda sem Carne



  
O projeto de lei protocolado na Câmara de Porto Alegre sugere que residências e restaurantes optem por refeições vegetarianas todas as segundas-feiras.
  
Divulgação SVBPOA    

Por Helena Dutra - Gabinete Vereador Beto Moesch
O vereador Beto Moesch (PP) protocolou projeto de lei para instituir em Porto Alegre  o dia  “Segunda sem Carne”. Pela proposta, residências, restaurantes e demais estabelecimentos que comercializam gêneros alimentícios serão convidados a optar por refeições vegetarianas todas as segundas-feiras. 

“O objetivo é promover mais reflexão e conscientização sobre o consumo excessivo de carne. A dieta vegetariana é ecológica, saudável, ética e compassiva. Precisamos disseminá-la o máximo possível entre a população”, defende o parlamentar. 

A iniciativa conta com o apoio da Sociedade Vegetariana Brasileira, idealizadora da campanha nacional “Segunda sem Carne”, já adotada pelo governo de metrópoles como São Paulo.

A medida também procura promover o veganismo, filosofia de vida baseada nos direitos animais, cujos adeptos procuram não consumir produtos nem participar de atividades em que há exploração ou uso de bichos, excluindo os alimentos de origem animal.  
Vegetarianismo e saúde 
O vereador aponta dados científicos que indicam relações positivas entre a dieta vegetariana e a redução do risco de várias doenças e condições degenerativas crônicas, como obesidade, doença arterial coronariana, hipertensão, diabete e alguns tipos de câncer.

Ele menciona a posição da Associação Dietética Americana, segundo a qual as dietas vegetarianas apropriadamente elaboradas são saudáveis, adequadas em termos nutricionais e apresentam benefícios para a saúde na prevenção e no tratamento de doenças.

Do mesmo modo, faz referência ao “Guia alimentar para a população brasileira”, editado em 2006 pelo Ministério da Saúde, que alerta que uma alimentação rica em proteínas animais contém altos teores de gorduras totais e saturadas, e, portanto, pode não ser saudável. 
Impactos no meio ambiente 
“A expansão da pecuária na Amazônia, no Cerrado, na Caatinga e em parte da Mata Atlântica é uma das principais causas da sua degradação. Soma-se a isso o crescimento da pesca industrial predatória, comprometendo ecossistemas marinhos significativos”, revela Moesch.
Além disso, de acordo com pesquisa da Organização das Nações Unidas, cerca de 18% da emissão dos gases causadores do aquecimento global são gerados pela produção de carnes em larga escala.

Maus-tratos aos animais

A exploração dos animais é mais um motivo para a proposição. “Não podemos esquecer que os animais sentem dor, prazer, alegria, tristeza, medo e afeto, assim como os seres humanos. O modo como são tratados no sistema de criação intensiva, confinados e manipulados como meras mercadorias, é extremamente cruel”, argumenta Moesch. 
EcoAgência

Sem comentários: