março 23, 2010

Pérola judaica sobre animais (humanos e não-humanos)


Pérola judaica sobre animais (humanos e não-humanos)


O filósofo do Século XV Rabino Yosef Albo, autor de Sefer Halkarim (“O Livro dos Princípios”), entende as instruções de D’us a Adam como uma implicação de que o Plano Divino original era que o homem se abstivesse de matar e comer carne. Sob essa visão, a matança de animais é um ato cruel e furioso, o que impregna esses traços negativos no caráter humano; além disso a carne de determinados animaisembrutece o coração e mata sua sensibilidade espiritual.

As pessoas das primeiras gerações entenderam isto equivocadamente, no entanto,como significando que humanos e animais eram iguais, com expectativas e padrões iguais. Isso levou à degeneração da sociedade em violência e corrupção; pois se o ser humano nada mais é que um outro animal, então matar um homemé equivalente a matar um animal. Foi essa atitude e comportamento que levou D’us a purificar o mundo com o Dilúvio.

Após o Dilúvio, D’us estabeleceu uma nova ordem mundial. As pessoas precisavam reconhecer as obrigações morais e o Divino propósito confiado à humanidade. Para deixar isso claro, D’us disse a Nôach que a humanidade pode e deve comer a carne de animais. Nosso domínio sobre os animais destaca nossa superioridadee nos lembra que estamos encarregados com Divina responsabilidade de aperfeiçoar o mundo. Para minimizar seus efeitos negativos sobre os seres humanos, quando a Torá foi outorgada D’us proibiu a carne daqueles animais que têm uma influência negativa sobre a alma.

Quer dizer que:
- Não somos animais
- Pôr-se igual aos animais, mesmo moralmente, implica degeneração a um estado caótico generalizado de violência e corrupção
- O Sauron da Torah assassinou milhões de seres humanos, incluindo inúmeras crianças, e bilhões de outros animais pelo simples motivo de que os seres humanos se consideravam iguais aos animais
- A ordem certa para "Deus" é que nós somos superiores aos bichos
- A carne de certos(!) animais é proibida não porque não é ético matá-los, mas porque ela tem uma "influência negativa" sobre a alma.

Ah essas religiões que nos ensinam cada coisa uma mais nojenta que a outra... Respeito pessoas que não tentam me empurrar goela abaixo doutrinas religiosas, mas as religiões abraâmicas definitivamente não me inspiram nenhum respeito.

E pensar que eu estava procurando argumentos que tornassem o judaísmo favorecedor do vegetarianismo...

Sem comentários: