fevereiro 12, 2010

A carne é realmente fraca?


Essa semana li uma frase de Rita Lee, que me chamou bastante atenção, em um show com Arnaldo Antunes, quando questionada sobre sua fonte de juventude, a cantora declarou: “Arnaldinho, my darling, fico longe de Shopping centers, não acredito em cremes de beleza, fujo de médicos, nunca votei no Maluf,não como cadáveres de animais e desconfio de quem fala muito de Jesus”.
Rita Lee talvez possua dicas preciosas sobre os segredos da juventude, se manter longe do Shopping e não ter votado no Maluf, talvez tenham sido realmente uma delas, mas não vamos discutir sobre consumismo capitalista nem política, falaremos essa semana sobre Vegetarianismo.
È considerada vegetariana, a pessoa que elimina do seu cardápio o consumo de todo tipo de carne, por exemplo, boi, frango, peixe, frutos do mar e etc. Os motivos podem ser os mais variados, entre eles a questão do meio ambiente, já que os adeptos da dieta alegam que a alimentação vegetariana degrada menos a natureza, é auto-sustentável ecologicamente, inclusive, é possível também gerar bem mais alimentos em uma mesma área de pastos, logo, podendo acabar com a fome de milhões de pessoas.
A compaixão pelos animais é outro ponto debatido, já que os métodos de abatimento dos animais são cruéis e considerados desumanos para muitos dos seus defensores. No documentário A Carne é Fraca, podemos assistir a cenas chocantes que realmente nos sensibilizam e mostram atrocidades praticadas em abatedouros, evidenciando também, segundo os depoimentos no filme, o lado afetuoso e sentimental que muitos animais possuem.
Outros por questões religiosas aderem ao vegetarianismo, como é o caso de Maria Thais, estudante de Jornalismo, que afirmou sua crença, como um forte motivo para deixar de comer carne. “Acreditamos que o corpo é templo do espírito, por isso devemos preservá-lo”, disse também que muitos têm a idéia errônea, de que nada pode substituir a proteína da carne, “O amendoim, por exemplo, é muito rico em proteínas”, declarou a estudante que freqüenta a igreja Adventista do Sétimo Dia.
Já as pessoas conhecidas como “vegans”, vão além que parar de consumir carne, os seus seguidores afirmam ser mais que uma simples dieta, asseguram ser uma filosofia de vida. Eles não consomem uma extensa gama de alimentos, qualquer tipo de carne, alimentos que contenham ovo ou leite em sua composição, mel e todos os produtos oriundos de insetos. Roupas de pele, lã, seda, camurça e acessórios feitos de pérolas, dentes, garras e plumas, travesseiros de pena. Também remédios alopáticos, que são testados em animais, vacinas e soros só devem ser usados em caso de vida ou morte e qualquer cosmético e produto testados em animais.
Se você é daqueles que não dispensa uma boa picanha, o torresminho do boteco, e que não imagina viver sem aquele churrasquinho de final de semana, certamente vai achar papo de maluco toda essa história, mas é realmente algo a pensar por vários motivos, e principalmente pela questão da saúde, já que segundo estudos, o consumo de carne aumenta significativamente o risco de câncer de pulmão e de intestino. Mas confesso que continuo comendo carne, meu instinto carnívoro enlouquece ao ver um filé, mas quem sabe um dia, com força de vontade eu pare, certamente a comunidade bovina agradece!

Sem comentários: