abril 12, 2010

Corretor de imóveis propaga o vegetarianismo e o respeito pelos animais nos EUA

Por Giovanna Chinellato (da Redação)

Fazendas de criação afetam a natureza e quase todos nós de alguma forma. Se você come carne, bebe leite ou consome ovos, sua comida provavelmente viu o interior de uma fazenda de criação em algum ponto. A fazenda de criação, onde animais são confinados, ovos são coletados e/ou vacas são ordenhadas da maneira mais barata e eficiente o possível, lembra uma linha de produção automobilística: a diferença é que os animais são explorados e torturados para fornecerem a matéria-prima.

imagem de porcos confinados para o consumo humano

Foto: Goveg.com

A maior parte das pessoas não se preocupa com o fato de que a maior parte de sua comida seja obtida do sofrimento, mas algumas sim. Uma dessas pessoas é Michael Rose.

Rose vive nos EUA e baseia suas ações na compaixão pelos animais. Ele é guiado pelo remorso de nunca ter feito mais pelos animais durante sua juventude, e agora sente necessidade de compensar o tempo perdido.

Um paraplégico que não come carne desde a época em que John Travolta causava suspiros, Rose atua como um verdadeiro corretor de imóveis apenas nas horas vagas, quando não está tentando semear a consciência sobre a cruel realidade das fazendas de criação de animais para o consumo humano.

Essa produção “funcionava mesmo para Henry Ford”, Rose disse. “Mas diferente de ver duas linhas de veículos com tinta fresca é ver dois olhos apavorados de animais inocentes pendurados pelas patas traseiras, seu comportamento dócil trocado por gritos de terror absoluto, tristemente culminando com suas gargantas fendidas para sangrar para a morte. Se o homem pode condenar o mais taciturno a implorar pela vida, a questão que fica é se somos a espécie certa para administrar esse planeta”.

Ele é um pouco como um estudante de Howard Lyman, um homem que passou uma grande porção da vida criando animais e, posteriormente, se tornou ativista pelos animais.

“Eu acho que as pessoas deveriam parar de comer carne. Se alguém não pode, ao menos que tente reduzir. Em alguns fatos da vida, você é parte ou do problema ou da solução. Este é definitivamente o caso da indústria de carne, ovos e laticínios.”

Dando uma entrevista a um jornal universitário, Rose diz que se sente mais responsável com o planeta. E, se vamos reconhecer as consequências de nosso mal comportamento, essa troca irá começar com estudantes.

Quando indagado sobre onde encontrar mais informações, ele disse: “o Google é a melhor fonte de informações. Existe uma tonelada de informações ali”.

Ele também mencionou usar o Google para pesquisar sobre Howard Lman, Tyson Foods e “Meat your Meat”.

Michael Rose: um bom exemplo para o caminho da defesa dos animais.


Com informações da USA Vanguard

Sem comentários: